home

Diário de Bordo

Lápis Raro
Lápis Raro
Ver todas

O Greenpeace e a releitura da publicidade

Categorias:

Compartilhe:

O Greenpeace sempre teve formas ousadas e às vezes até agressivas de protestar a favor de suas causas. Principalmente com ações de guerrilha.

Ultimamente vi alguns protestos que influenciam negativamente a imagem da marca que pratica alguma agressão, não apenas pelo fato da agressão, mas porque eles se apropriam da linguagem publicitária.

Vejamos alguns exemplos:

A Dove lançou um vídeo-protesto contra a paranóia da indústria da beleza

O Greenpeace alega que para produzir alguns produtos da linha Dove, a marca compra óleo de palma que muitas vezes é fruto da devastação de florestas que provoca a morte de orangotangos.

E os protestos também utilizam uma releitura da logomarca da Dove:

dove_greenpeacelogoprotesto contra Dove

O mesmo aconteceu com a Nestlé. O chocolate de rede Kit Kat trabalha desde a década de 80 o conceito “Have a Break”. A ideia quase sempre é ligada ao excesso de trabalho e ele entra sugerindo que a pessoa faça uma pausa.

Veja um dos comerciais do Kit Kat:

Então o Greenpeace alega que para fazer o chocolate, a empresa compra óleo de dende e entra no mesmo raciocínio da floresta devastada da Dove, que dizima os orangotangos.

E a mesma história com a logomarca do chocolate

Nestle KillerGive us a Break

Comente aqui

» Comentar

Comentários:
0