home

Diário de Bordo

Lápis Raro
Lápis Raro
Ver todas

De novo.

Categorias:

Compartilhe:

No meu primeiro post aqui, há uns bons dez meses, eu recomendei um livro.

Era “O Escafandro e a borboleta“, de Jean Dominique Bauby. Lembro que eu comprei depois de ler um artigo na “Elle” e lembro que eu ainda não tinha terminado, mas já estava gostando muito quando recomendei.

Acabei de chegar do Belas Artes. Fui ver “O Escafandro e a Borboleta“, do diretor Julian Schnabel. Eu poderia falar sobre a estória do filme, o derrame de “Jean-Do”, no auge da sua carreira como redator-chefe da “Elle” francesa. Eu poderia falar também que ele escreveu um livro inteiro apenas piscando o olho esquerdo. Poderia mencionar a atuação linda de Mathieu Amalric, a genialidade do diretor e mais um monte de coisas. Mas eu quero falar mesmo é do que eu senti. Da vontade de chorar, de abraçar alguém bem forte, de sair do cinema. De voltar amanha e assistir tudo outra vez. Eu quero falar, mas é bobagem minha. Porque eu nunca vou conseguir explicar quão angustiante, quão arrebatador é o filme.
Quero falar da minha volta pra casa, chorando feito uma criança, lavando a alma.
Quero dizer um “desculpa” bem grande, pela pieguice e, talvez, pelo exagero. Mas quero dizer um “ainda bem” maior ainda. Ainda bem que eu vi. Ufa.

Onde:
Belas Artes
Belas Artes 1 – 14:45, 17:00, 19:15, 21:30

Ponteio Lar Shopping
Ponteio 1 – 14:00, 16:30, 19:00, 21:30

Usina
Usina 4 – 14:30, 16:45, 19:00, 21:15

Comente aqui

Deixe uma resposta para jana Cancelar resposta

Comentários:
4
  • Cristina disse:

    Ok, o cara realmente se esforçou pra caralho para escrever o livro. Mas a grande mártir dessa história não seria a mãe dos filhos dele? A tal mulher, com dois filhos pra cuidar, corpo em perfeito estado, ESCOLHEU passar uma boa parte do tempo de sua vida preciosa (a de todos vale a mesma coisa, não?) ao lado de um paciente que exigia cuidados intensivos, aprendendo a se comunicar em pisquês, atendendo telefonemas da amante dele. Cara, que situação. Me lembra muito a história daquela virgem que pariu um salvador. No final das contas, herói mesmo era José.

    Mas e a esposa do cara, que tinha o movimento dos olhos, da boca, dos braços, das pernas, e ainda assim ficava lá?

  • jana disse:

    ontem eu vi.
    e chorei.
    um exemplo mesmo.

  • marcela disse:

    nem me fala, rebecca.
    acho que vou assistir dia sim, dia não. até sair de cartaz.

  • Rebecca disse:

    Marcelita,

    Esse foi um dos filmes mais lindos que já vi, EVER!!!

    Vimos em casa, três pessoas… e no final cada um foi pro seu canto chorar sozinho… reconhecendo, cada qual, a medida de escafandro que tem nessa vida…

    mas no final de tudo, o que fica mesmo, eu acho, é a possibilidade da borboleta…

R. Antônio de Albuquerque, 156 — 12º andar — Funcionários
Belo Horizonte MG — Brasil — CEP: 30112-010
Fone: +55 31 3211-5100 — Fax: +55 31 3211-5172
e-mail: contato@lapisraro.com.br